E as mulheres rurais? O Projeto Quintais Sustentáveis analisado sob perspectivas de gênero

  • Laila Mayara Drebes Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural (PPGExR), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Tanny Oliveira Lima Bohner Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural (PPGExR), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Resumo

No século XXI, a Igualdade de Gênero recebeu importância pelas organizações multilaterais voltadas à extensão e desenvolvimento em áreas rurais, sobretudo, se relacionada com Erradicação da Pobreza, Segurança Alimentar e Nutricional e Produção Agroecológica. O estudo visou analisar a relevância da inclusão das mulheres em ações de extensão voltadas ao desenvolvimento de áreas rurais, considerando o Projeto Quintais Sustentáveis. De cunho quali-quantitativo, o estudo de caso foi conduzido em Manoel Viana/RS, através de observações, entrevistas, formulários e documentos. Os dados foram analisados com estatística descritiva e análise de conteúdo. O Projeto Quintais Sustentáveis não anteviu o tema Igualdade de Gênero: não houve direcionamento às mulheres rurais. Embora o Projeto estivesse alocado no âmbito de suas atividades na divisão de trabalho do estabelecimento, a mercantilização do Quintais Sustentáveis distanciou as mulheres. Concluiu-se que o potencial do Projeto não foi devidamente usufruído devido ausência de considerações sobre Igualdade de Gênero.

Biografia do Autor

Laila Mayara Drebes, Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural (PPGExR), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Bacharelado e Licenciatura Plena em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestra em Extensão Rural (PPGExR/UFSM). Doutoranda em Extensão Rural (PPGExR/UFSM). Bolsista CAPES.

Tanny Oliveira Lima Bohner, Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural (PPGExR), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Bacharelado em Agronomia e Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestra em Extensão Rural (PPGExR/UFSM). Doutoranda em Extensão Rural (PPGExR/UFSM). Bolsista CAPES.

Referências

AGRESTI, A.; FINLAY, B. Métodos estatísticos para as Ciências Sociais. 4. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRANDÃO, C. R. O trabalho de saber: cultura camponesa e escola rural. São Paulo: FTD, 1990.

BRASIL. Decreto n. 7.492, de 2 de junho de 2011. Institui o Plano Brasil Sem Miséria. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3. jun. 2011.

BRASIL. Decreto n. 8.526, de 26 de maio de 2014. Regulamenta o inciso V do caput do art. 17 da Lei no 8.629, de 25 de fevereiro de 1993, que dispõe sobre os créditos de instalação no programa de reforma agrária. Diário Oficial da União, Brasília, 27. Mai. 2014.

BRUMER, A. Gênero e agricultura: a situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n.01, p. 205-227, 2004.

COSTA, M. G. S. G.; DIMENSTEIN, M. D. B.; LEITE, J. F. Condições de vida, gênero e saúde mental entre trabalhadoras rurais assentadas. Estudos de Psicologia, Natal, v. 19, n. 02, p. 145-154, abr./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2016.

DEERE, C.; LÉON, M. O empoderamento da mulher: direitos à terra e direitos a propriedade na América Latina. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

GFRAS. Gender equality in rural advisory services: a GFRAS Working Group concept note. Lindau: GFRAS, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Editora Atlas, 2011.

GLOBAL DONOR PLATFORM FOR RURAL DEVELOPMENT. Gender and agriculture. Platform Policy Brief, [s.l], n. 03, p. 01-07, 2010.

HEREDIA, B. M. A.; CINTRÃO, R. P. Gênero e acesso a políticas públicas no meio rural brasileiro. In: BARSTED, L. L.; PITANGUY, J.; DAYSE, M. (Orgs.). O progresso das mulheres rurais no Brasil. Brasília: UNIFEM, 2006. p. 102-131. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2016.

IBGE. Censo Agropecuário 2006. 2006. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2015.

IBGE. Censo Demográfico 2010. 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2015.

IBGE. Produção Agrícola Municipal - Lavoura Temporária 2014a. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

IBGE. Pecuária. 2014b. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

IDS KNOWLEDGE SERVICES. Food security: research findings for development policymakers and practitioners. Insights, Brighton, n. 82, p. 01-08, 2012.

IFAD. Gender mainstreaming. La Paz: IFAD, 2000.

INCRA; MDA; BRASIL. Fomento Mulher e Quintais Produtivos: uma estratégia de construção de autonomia das mulheres rurais 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2016.

MAGALHAES, R. S. A "masculinização" da produção de leite. Revista de Economia, Administração e Sociologia Rural, v. 47, n. 01, p. 275-299, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2016.

MDS. O Brasil Sem Miséria. Brasília: MDS, 2014.

MDS. Inclusão Produtiva Rural: apoio à produção rural. 2015. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2015.

MEAS. Reducing the gender gap in agricultural extension and advisory services: how to find the best fit for men and women farmers. [S.l]: USAID, 2013.

MENASCHE, R. Capinar: verbo conjugado no feminino? Notas de pesquisa sobre gênero e percepções de risco na agricultura familiar. Cuadernos de Desarrollo Rural, Bogotá, n. 53, p. 25-33, 2004.

NEUCHÂTEL GROUP. Common framework for supporting Pro-poor Extension. Lindau: Neuchâtel Group, 2003.

ONU. Promotion and protection of all human rights, civil, political, economic, social and cultural rights, including the right to development. 2010. Disponível em: . Acesso em: 03 dez. 2015.

OXFAM. Women’s collective action: unlocking the potential of agricultural markets. Oxford: OXFAM, 2013.

PAULILO, M. I. S. O peso do trabalho leve. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v.5, n.28, p.64-70, 1987.

PIRES, A. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

SCHMITZ, A. M.; SANTOS, R. A. A produção de leite na agricultura familiar do Sudoeste do Paraná e a participação das mulheres no processo produtivo. Terr@ Plural, v. 07, n.02, p. 339-356, jul./dez. 2013.
SDR/RS. Quintais Sustentáveis: apoio para a estruturação e produção sustentável de alimentos. Porto Alegre: SDR, 2012.

SILIPRANDI, E.; CINTRÃO, R. As mulheres agricultoras e sua participação no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). In: BUTTO, A.; DANTAS, I. (Org.). Autonomia e cidadania: políticas de organização produtiva para as mulheres no meio rural. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2011. p. 153-191.

SILVA, C. B. de C.; SCHNEIDER, S. Gênero, trabalho rural e pluriatividade. In: SCOTT, P.; CORDEIRO; R.; MENEZES, M. (Org.). Gênero e geração em contextos rurais. Florianópolis: Ed. Mulheres, p. 183-207, 2010.

SILVA, C. M. V.; VALENTE, A. L. E. F. Agricultura familiar, gênero e dinâmicas sociais: um estudo sobre a construção territorial do assentamento Nova Lagoa Rica. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 51, n. 02, p. 387-399, abr./jun. 2013.

WB. A questão de gênero no Brasil. Brasília: WB, 2003.

WB; FAO; IFAD. Manual sobre Género en Agricultura. Washington: BIRD, 2012.

WOORTMANN, E. Herdeiros, parentes e compadres. São Paulo: Hucitec, 1995.
Publicado
2018-06-14