Pesquise no site

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages


Doutorado - atuais


Perfil


Adlilton Pacheco de Oliveira

E-mail

Lattes

Lattes Adlilton

Agencia financiadora: CNPq

Descrição das atividades

Formou-se no curso técnico em Agropecuária na Escola Agrotécnica Federal de Castanhal – Pará em 2006, e graduou-se em Medicina Veterinária no Instituto de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará (UFPA) em 2013. Concluiu o mestrado no programa de Pós-graduação em Saúde Animal na Amazônia (PPGSAAM – UFPA) em 2015, e atualmente encontra-se cursando o Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ. Possui experiência em epidemiologia e diagnóstico básico e avançado de doenças parasitárias atuando principalmente nos seguintes temas: hemoparasitos transmitidos por artrópodes, Zoonoses parasitárias de animais domésticos e silvestres e Hemogregarinas de animais pecilotérmicos.

Descrição do Projeto

Os Biomas Mata Atlântica e Amazônia detém a maior biodiversidade do planeta, isso inclui também uma grande diversidade de patógeno nocivos ao homem. As doenças transmitidas por carrapatos, como a Borreliose de Lyme, Babesiose, Rickettsiose, Erlichiose e algumas Viroses, constituem hoje um problema de Saúde Pública de grande importância mundial. No Brasil os casos de Febre maculosa (FM) e Borreliose humana Brasileira (BHB) ocorrem em várias regiões do país sendo mais frequentes em São Paulo e Santa Catarina. Casos autóctones de FM têm sido relatados também em Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro, e de BHB no Rio Grande do Norte e Amazonas. Nas últimas décadas tem se observado aumento nos números de casos dessas doenças, entre 1997 e 2014 foram confirmados 1.243 casos de FM humana no Brasil, e destes 364 evoluíram a óbito. Observa-se que o número de casos registrados ao longo dos anos é crescente e que, entre os anos de 2009 – 2013 a média de incidência foi de 122,4 novos casos por ano. Atualmente existe incipiência de estudos com caracterização molecular de patógenos isolados a partir de carrapatos no Bioma Amazônico e Mata Atlântica, porém existem trabalhos que confirmam a presença de anticorpos anti-Borrelia burgdoferi em equinos no estado do Pará, e o isolamento de Rickettsia belli e Rickettsia amblyommii realizado a partir de carrapatos do gênero Amblyomma coletados no estado de Rondônia, o que ressalta a importância de se realizar estudos nessas regiões, pesquisando e identificando possíveis carrapatos vetores de patógenos, com intuito de desenvolver mecanismos de cultivo em células do próprio vetor para melhor compreensão da sua biologia.