Instituto de Medicina Veterinária
Busca

 

COLETA, FIXAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE HELMINTOS

 

A coleta de helmintos parasitos de animais tem por objetivo a fixação e conservação para o posterior uso didático ou em pesquisa. Em animais vivos os parasitos do tubo digestivo podem ser coletados das fezes após a eliminação espontânea ou após a administração de anti-helmíntico. Os helmintos assim coletados, em geral, não são bons para preparações. As espécies de parasitos que se localizam em tecidos podem ser coletadas por biopsias. Entretanto o modo usual e preferido para a coleta de parasitos dos diversos órgãos e tecidos é pela necropsia, que deve ser realizada logo após a morte do animal.

Os helmintos devem ser procurados em todas as cavidades, órgãos, tecidos e líquidos. Na necropsia a procura é procedida à medida que cada cavidade, tecido, órgão ou compartimento vai sendo aberto.

A coleta, fixação e conservação dos helmintos parasitos dos animais têm muitas particularidades que devem ser respeitadas, para que os parasitos possam ser devidamente preparados e os caracteres taxonômicos que os identificam observados.

Os helmintos parasitos de alguns tecidos ou órgãos serão coletados pela dissecação ou dilaceração ou ainda por técnicas específicas desenvolvidas ou adaptadas para as espécies ou fases evolutivas.

Os exemplares de grande e médio porte são observados a olho nu e devem ser transferidos dos locais nos quais são encontrados, com o auxílio de pinça ou estilete, para placa de Petri ou bandeja com tamanho adequado ao do parasito e contendo solução fisiológica e rotulo de identificação. As espécies ou os estádios jovens de pequeno porte, em geral, só podem ser visualizados e coletados com auxílio de lupa. Para parasitos do tubo digestivo da classe Nematoda, vermes cilíndricos, e quando na necropsia não é desejável ou possível coletar os parasitos separados do conteúdo estes podem ser fixados juntos, em alíquotas retiradas do conteúdo total e posteriormente no laboratório, com auxílio de lupa, os nematóides serão separados do conteúdo.

Os nematóides separados dos órgãos, tecidos, cavidades ou conteúdo intestinal e mantidos em solução fisiológica ou as alíquotas obtidas do conteúdo total, serão fixados pela substituição da solução fisiologia pelo fixador. Preferencialmente utilizar o formol acético previamente aquecido (60 a 70ºC), que serve também de líquido conservador.

Os platelmintos da Subclasse: Trematoda, vermes folha e do Subcoorte: Eucestoda vermes fita serão retirados do local em que foram encontrados e transferidos para placa de Petri contendo solução fisiologia, quando destinados a preparação de lâminas para estudos morfológicos, por possuir o corpo achatado dorso/ventral, devem ser sempre fixados comprimidos no sentido dorso ventral, entre lâminas mantidas úmidas amarrando-as com barbante ou elástico. Os trematódeos e os cestóides de pequeno porte e segmentos do corpo dos cestóides de médio e grande porte assim comprimidos serão mergulhados na solução fixadora, preferencialmente, formal acético, onde permaneceram por aproximadamente 24 horas, devendo-se ter o cuidado de manter as lâminas na vertical, de forma que umas não façam peso sobre as outras. Passado o período de fixação os parasitos são retirados das lâminas e mantidos na solução conservadora, podendo ser o próprio formol acético.

Os Acantocéfalos podem ser fixados comprimidos ou não, os de pequeno porte devem ser fixados comprimidos, proceder com descrito para os Platelmintos e os de médio e grande porte serão fixados como os nematóides.

Para os cestóides é recomendado o relaxamento muscular, antes da fixação, para tanto devem ser mantidos em solução fisiológica e mortos sob a ação de frio, no refrigerador.

 

CLARIFICAÇÃO E MONTAGEN DE NEMATÓIDES

 

A clarificação ou diafanização dos nematóides é necessária para a visualização de estruturas internas, fundamentais na identificação/classificação destes helmintos. Vários produtos são indicados como clarificadores de nematóides: fenol, lacto-fenol de Amann, ácido acético, solução de Hoyer`s, creosoto, ácido lático, glicerina e etc.

Na clarificação* das espécies de médio porte deve-se preferencialmente utilizar: fenol, ácido acético, ácido lático ou creosoto, para as espécies de pequeno porte utilizar lacto-fenol de Amann ou glicerina.

Depois de clarificados os exemplares serão montados entre lâminas e lamínulas para serem examinados ao microscópio. As espécies de pequeno porte destinadas à identificação ou mesmo ao ensino podem ser mondadas em preparação temporária, utilizando se o lacto-fenol de Amann. Montagens semidefinitivas podem ser obtidas utilizando-se a solução de Hoyer’s. As espécies de médio porte devem ser, preferencialmente, montadas em solução de Hoyer’s. Os nematóides podem ser submetidos a preparações definitivas, para tanto após diafanizados, podendo ser corados ou não, serão desidratados em álcool e creosoto e montados em balsamo de Canadá.

 

CLARIFICAÇÃO E MONTAGEN DE PLATELMINTOS

 

A clarificação pré-coloração nos platelmintos, em geral, só se faz necessária para a as espécies muito espessas, que podem ser diafanizadas com ácido acético.

Para a coloração dos platelmintos e acantocefalos os seguintes corantes podem ser usados: Carmin clorídrico, carmin acético, hematoxilina, fucsina e etc.

Os helmintos corados serão montados em preparações definitivas, para tanto serão desidratados em álcool e creosoto e montados em balsamo de Canadá.

 

SEQÜÊNCIA PARA A MONTAGEM DE NEMATODA

(temporária ou semidefinitiva)

1. *Clarificar por tempo variável;

2. Montagem em lâmina/lamínula com lacto-fenol de Amann (temporária), ou

com Hoyer’s (semidefinitiva), ajustando o parasito para uma posição que permita visualização dos caracteres morfológicos.

  

SEQÜÊNCIA PARA A COLORAÇÃO E MONTAGEM DE HELMINTOS

 

1. Álcool 70%                                                                     15 min;

2. Corante                                                                          tempo variável;

3. Álcool 70%                                                                     lavar;

4. Álcool clorídrico 2%                                                         tempo variável;

5. Álcool 70%                                                                     lavar;

6. Álcool 80%                                                                     15 min;

7. Álcool 90%                                                                     15 min;

8. Álcool absoluto                                                               15 min;

9. Creosoto                                                                        tempo variável;

10. Montagem em lâmina/lamínula com bálsamo, ajustando o parasito para uma posição que permita visualização dos caracteres morfológicos.


© 2011 - IV - UFRRJ | Créditos
COTIC