Instituto de Medicina Veterinária
Busca

 

INDICAÇÃO
Identificação e contagem de larvas de terceiro estádio de nematóides gastrintestinais de ruminantes e eqüídeos.

PROCEDIMENTO
1. Retirar da amostra 20-30 gramas de fezes, positivas ao McMaster para nematóides da ordem Strongylida, colocando-a em frasco de boca larga e de borda uniforme;
2. Acrescentar vermiculite ou serragem, na proporção aproximada de duas partes de vermiculite para uma de fezes;
3. Misturar as fezes com o vermiculite até que forme uma mistura homogênea, acrescentar água, se necessário, para manter a cultura úmida, tomando a cuidado de não acumular água no fundo;
4. Limpar as bordas do frasco e tampá-lo com uma placa de Petri, colocar um barbante entre a placa e a borda do frasco para que haja aeração da cultura;
5. Manter em estufa tipo para B.O.D. à ± 27 ºC ou à temperatura ambiente, em clima tropical ou temperado, por 7 a 10 dias, umidecer conforme necessidade;
6. Recuperam-se as larvas infectantes, enchendo-se o frasco de cultivo com água corrente e tampando-o com uma placa de Petri e invertendo-o bruscamente sobre a placa;
7. Coloca-se 5 a 10ml de água na parte externa da placa de Petri;
8. Transcorridas 3 a 4 horas, transfere-se, com auxilio de uma pipeta, o conteúdo da placa de Petri para um tubo de ensaio;
9. Deixar o tubo de ensaio repousar em geladeira por 2 a 3 horas ou por mais tempo em temperatura ambiente. Após desprezar o sobrenadante, deixando um volume de 3 a 5ml;
10. Proceder à identificação/contagem das larvas, examinado-as entre lâmina/lamínulas com adição lugol, ao microscópio;
11. As larvas devem ser contadas/identificadas até atingirem cem unidades;
12. Para obter-se a carga parasitária procede-se a correlação entre o OPG e o número de larvas por gênero/espécie.

OBSERVAÇÃO

As larvas recuperadas da cultura e acondicionadas em tubo de ensaio com um volume de ± 4ml de água podem permanecer viáveis para o diagnostico por aproximadamente 4 meses.


© 2011 - IV - UFRRJ | Créditos
COTIC