Instituto de Medicina Veterinária
Busca

Classificação

Filo Apicomplexa Levine, 1970
Classe Haematozoea Vivier, 1982
Ordem Piroplasmida Wenyon, 1962
Família Babesiidae Poche, 1913
Gênero Babesia Starcovici, 1893
Babesia canis Piana & Galli-Valerio, 1895
Babesia bigemina Smith & Kilborne, 1893
Babesia bovis Babes, 1888
Babesia equi Laveran, 1901
Babesia caballi Nuttall, 1910

Ordem Piroplasmida
Wenyon, 1962

Organismos pleomórficos podendo ser piriformes, amebóides, arredondados alongados;
Locomoção por flexão ou deslizamento;
Heteroxenos.

Família Babesiidae
Poche,1913

Parasito de eritrócito de hospedeiro vertebrado, no qual multiplica-se por divisão binária, e os merozoítos, geralmente permanecem unidas pela extremidade formando pares (díades); transmissão no carrapato por via transovariana ou transestadial, gametogonia, esporogonia e esquizogonia no hospedeiro invertebrado.

Gênero Babesia
Starcovici, 1893

Grande babesia forma piriforme maior que 2,5µm de comprimento ou pequena babesia com forma piriforme menor que 2,5µm de comprimento.

Babesia canis
Piana & Galli-Valerio, 1895

Grande babesia, merozoítos eritrocíticos com comprimento maior que o raio da hemácia, podendo ter vários merozoítos por hemácias.

Babesia bigemina
Smith & Kilborne, 1893

Grande babesia;
Merozoítos eritrocíticos na forma piriforme, unidos pelas extremidades e com citoplasma vacuolado.

Babesia bovis
Babes, 1888

Pequena babesia;
Merzoítos eritrocíticos nas formas piriformes, esférica e amebóide.

Pequena babesia, merozoítos eritrocíticos em capilares de esmagamento de cérebro.

Babesia Equi
Laveran, 1901

Pequena babesia;
Merozoítos eritrocíticos;
Quatro trofozoítos unidos pelas extremidades formando tétrade (cruz de malta).

Babesia caballi
Nuttall, 1910

Grande babesia;
Merozoítos eritrocíticos na forma piriforme, unidos pelas extremidades, vacuolados;
Comprimento maior que o raio da hemácia.


© 2011 - IV - UFRRJ | Créditos
COTIC