Instituto de Medicina Veterinária
Busca

Classificação

Império Eukaryota Corliss, 1994
Reino Protozoa Goldfuss, 1818
Filo Euglenozoa Cavalier-Smith, 1981
Classe Kinetoplastidea Honigberg, 1963
Ordem Trypanosomatida Kent, 1880
Família Trypanosomatidae Grobben, 1905
Gênero Trypanosoma Gruby, 1843
Trypanosoma(Schizotrypanum) cruzi Chagas, 1909
Trypanosoma (Trypanosoon) evansi (Steel, 1885) Balbiani, 1888
Trypanosoma (Duttonella) vivax Ziemann, 1905
Gênero Leishmania Ross, 1903

Filo Euglenozoa
Cavalier-Smith, 1981

Organismos com um a quatro flagelos; mitocôndria e aparelho de Golgi desenvolvidos; divisão nuclear com nucléolo persistente; crista mitocondrial discoidal denominada cinetoplasto.

Classe Kinetoplastidea
Honigberg, 1963

Organismos com um ou mais flagelos;
Mitocôndria única, desenvolvida e com cinetoplasto presente.

Ordem Trypanosomatida
(Kent, 1880)

Cinetoplasto presente; Um ou dois flagelos, livres ou não, associados ou não à membrana ondulante.

Família Trypanosomatidae
(Doflein,1901) Grobben, 1905

Flagelo único com origem no blefaroplasto; Flagelo livre e membrana ondulante presentes ou não. Parasitos de plantas, protistas e animais.

Gênero Trypanosoma
Gruby, 1843

Estádio evolutivo típico é o tripomastigota. Algumas espécies desenvolvem também em seu ciclo evolutivo os estádios de amastigota, promastigota e epimastigota; espécies parasitas dos animais e do homem; a maioria das espécies é transmitida por insetos hematófagos.

Seção Stercoraria

Transmissão por contaminação. Multiplica-se no tubo digestivo do hospedeiro invertebrado no estádio epimastigota. No vertebrado a multiplicação ocorre nos estádios amastigota, epimastigota ou tripomastigota variando com a espécie.

Trypanosoma (Schizotrypanum) Cruzi
Chagas, 1909

Ninho leishmanióide em corte de músculo cardíaco. O estádio amastigota caracteriza-se pela forma circular ou ovóide, com núcleo excêntrico, desprovida de flagelo livre.

Estádio tripomastigota de pequeno porte, geralmente em forma de C, cinetoplasto grande e subterminal, extremidade posterior pontiaguda.

Seção Salivaria

Transmissão por inoculação. Multiplica-se nos estádios tripomastigota ou epimastigota, no tubo digestivo, probóscida e glândulas salivares do hospedeiro invertebrado. No vertebrado a multiplicação dá-se no estádio tripomastigota.

Trypanosoma (Duttonella) Vivax
Ziemann, 1905

Estádio tripomastigota caracteriza-se por possuir extremidade posterior do corpo arredondado com cinetoplasto grande e geralmente terminal, as vezes marginal, membrana ondulante desenvolvida, flagelo livre presente.

Trypanosoma (Trypanosoon) Evansi
(Steel,1885) Balbiani,1888

Estádio tripomastigota em geral com cinetoplasto pequeno, subterminal e em geral não visível à microscopia ótica. Pode assumir várias formas: uma delgada com flagelo livre desenvolvido, uma intermediária ou uma curta com flagelo livre reduzido; membrana ondulante desenvolvida.

Gênero Leishmania
Ross, 1903

Estádio evolutivo típico é o amastigota, possuindo também em seu ciclo evolutivo o estádio de promastigota. Espécies parasitas de lacertídeos, mamíferos silvestres e domésticos, inclusive o homem.

Estádio amastigota apresenta-se na forma circular ou ovóide, desprovida de flagelo livre, com núcleo excêntrico, cinetoplasto próximo ao núcleo.

Complexo Leishmania Donovani

Amastigotas localizam-se preferencialmente em céls. do SFM do baço, do fígado, da medula óssea e dos órgãos linfóides. Agente etiológico da leishmaniose visceral ou calazar ou febre dun-dun ou esplenomegalia tropical, no homem.

Complexo Leishmania Braziliensis

Amastigotas localizam-se preferencialmente nas células do SFM da pele e mucosa. Agente etiológico da leishmaniose americana: tegumentar ou cutânea e muco-cutâneo no homem.


© 2011 - IV - UFRRJ | Créditos
COTIC